NOSSA HISTÓRIA

O projeto social Há Esperança iniciou no final do ano de 2013 como uma ação de amigos que arrecadaram alimentos e brinquedos para distribuir a uma comunidade. Ao chegar na comunidade Favelinha, localizada em São João de Meriti, Baixada do Rio de Janeiro, indicada por uma componente do grupo, fomos muito bem recebidos pelos moradores locais, como se já nos conhecêssemos, como se já nos esperassem.

Após um ano de atividades pontuais como Dia das Crianças, Natal, e Páscoa, o grupo maior começou a se dissolver, mas eu não podia não voltar mais a comunidade, nem esperar a próxima data comemorativa para encontrá-los.

Iniciei então uma pesquisa dentro da comunidade para compreender as demandas e maiores necessidades da população e estudar como poderia ser útil; uma vez que não moro na região e precisava compreender a partir dos olhos dos moradores qual seria a necessidade da comunidade. Visitei as famílias da região e caminhei por entre as ruas a fim de entender a dinâmica da  mesma.  Foi então, que percebi que uma das maiores demandas das famílias era  educacional, uma vez que a estatística de evasão escolar e pessoas com baixo nível de escolaridade era crescente.

Iniciei as aulas de reforço escolar com a intenção de auxiliar no processo de escolarização das crianças a fim de contribuir com a diminuição da desigualdade educacional. Cada vez mais, o projeto ia ganhando importância na vida dos moradores locais e das crianças frequentando as aulas.

Ao passo que, eu ia avançando com as crianças nas aulas, ia me aperfeiçoando e descobrindo uma nova profissão, como professora. O projeto de reforço escolar dentro da Há Esperança foi ressignificando também a minha vida, aponto de me fazer mudar de profissão: a arte de lecionar me encantou ao ver o progresso educacional de cada criança que passava pelas aulas de reforço.

As ações iam crescendo ano após ano, e mais voluntários fixos para compor o corpo pedagógico, administrativo e técnico que temos no projeto hoje. Todas as ações do projeto Há Esperança só foram possíveis graças a colaboração coletiva de muitas pessoas, inclusive fora do Brasil, que como nós acreditam que a educação é o caminho para a transformação social.

Quando nos movemos em direção ao que acreditamos, movemos o impossível, e o nome do projeto social Há Esperança vem gritar essa verdade: há esperança, sim! Podemos acreditar que a forma como as coisas estão dadas em uma sociedade desigual pode mudar. Há esperança! E essa esperança vem de esperançar como diria Rubem Alves, fazer e esperar, esperar mas ir fazendo. A mudança é possível, mas ela começa com a gente.

Att,

Tayana Leôncio

Direção do Projeto Social Há Esperança